O livro proibido de Paulo Coelho

Afinal seria o mito do vampirismo realidade ou lenda? Por que o próprio autor não quer reedições do Manual Prático do Vampirismo?

Afinal seria o mito do vampirismo realidade ou lenda? Por que o próprio autor não quer reedições do Manual Prático do Vampirismo?

14.09.2018
554 VISITAS
Paulo Coelho explicou já várias vezes a imprensa que não deseja que o Manual Prático do Vampirismo seja reeditado por considerar as pesquisas não contundentes para explicar o mito do vampirismo. Conforme suas próprias palavras, confessa: "O mito é interessante, o livro é péssimo".
Mas afinal como tudo começou?
10%
off

Oferta Exclusiva Para Compra deste Produto   CLIQUE AQUI E PEÇA ESTE PRESENTE!   ATENDIMENTO VIA WHATSAPP

CLIQUE PARA AMPLIAR OU REDUZIR

Livro Esoterismo - Manual Prático Do Vampirismo Paulo Coelho

  • DE R$ 249,90
    POR APENAS: R$ 224.1
    ( + FRETE 9,90 )



Do projeto inicial do livro, extraímos o relato a seguir. Na noite de 5 de maio de 1985, cansados de uma longa escalada ao cume do Pico da Bandeira, Paulo Coelho e um amigo resolveram passar a noite num hotel próximo ao abrigo de alpinistas. Lá conheceram um hóspede finlandês, que disse chamar-se Flamínio de Luna, e que contou que tinha sido testemunha de um caso de vampirismo com alguém que amava, e por causa disso havia jurado fazer todo o possível para desmascarar o mito - criado pelos próprios vampiros - de que tais criaturas não existem. Durante anos pesquisou suas origens históricas, suas raízes no mundo de hoje, e as fórmulas para identificar e combater um vampiro. Flamínio a todo momento lamentava a perda de Mata Ulm, afirmando ter sido este seu único amor nos muitos anos de existência. Durante horas a fio ficaram ouvindo o estranho, fascinados. No dia seguinte ao procurar por Flaminio souberam que ele havia partido. O caso não teria passado de uma misteriosa história para contar aos amigos, naõ fosse Paulo Coelho ter recebido - duas semanas mais tarde - o manuscrito de O MANUAL PRÁTICO DO VAMPIRISMO. O pacote, entregue pelo correio, não trazia o endereço do remetente. Meses depois, jornais noticiavam a respeito de uma série de assassinatos ocorridos em Palermo, na Sicilia. As vítimas eram encontradas com a garganta aberta, e sem um pingo de sangue. Apesar das autoridades locais atribuírem os crimes a uma vendetta da Máfia, grande parte dos habitantes - principalmente os mais velhos - juravam que tudo aquilo era obra de um feiticeiro, nascido em 1815, e do qual não se tinha notícia de haver morrido. Seu nome: Flamínio Di Luna.
Paulo Coelho termina oi relato, concluindo: "Não me custaria nada afirmar que os vampiros existem".

FOTO: Reprodução Capa do livro

DESTAQUES QUE PODEM INTERESSAR...

Escrava Isaura, marco da literatura abolicionista
Escrava Isaura, marco da literatura abolicionista  
Mulheres que gostam de brincar de casamento
Mulheres que gostam de brincar de casamento  
Origem, um dos grandes best-sellers de sempre da Marvel
Origem, um dos grandes best-sellers de sempre da Marvel