E tudo começou com um...patinho!

O título deste artigo parafraseia Walt Disney em 1954:

O título deste artigo parafraseia Walt Disney em 1954: "Só espero que nunca percamos de vista uma coisa: tudo começou com um rato"

18.09.2018
369 VISITAS
Quem diria que uma editora do porte da Abril teria começado em 1950 com revistas em quadrinhos e, particularmente, o primeiro número de O Pato Donald. Mas se formos dar uma olhada no passado descobriremos que grandes impérios da comunicação nasceram de singelos personagens associados às histórias em quadrinhos.

O título deste artigo parafraseia Walt Disney em 1954: "Só espero que nunca percamos de vista uma coisa: tudo começou com um rato". Na época, Mickey já era uma celebridade frente às câmeras, já que sua estreia no cinema aconteceu com o curta-metragem "O Vapor Willie" em 18 de novembro de 1928. E não precisamos ir tão longe, pois se analisarmos a biografia do brasileiro Maurício de Souza vamos relembrar que em Julho de 1959, os leitores da Folha da Manhã, um jornal de São Paulo, descobriam um novo personagem dos quadrinhos: um cãozinho azul, chamado Bidú. Não poderíamos imaginar que era o princípio de uma das mais bem-sucedidas empresas de comunicação do país, a Maurício de Souza Produções.
Mas, voltando ao pato da Abril, a "revistinha" editada até hoje, é a mais longeva publicação de quadrinhos no Brasil e aquela primeira e histórica edição é hoje uma valiosa raridade.

Foto: Reprodução

DESTAQUES QUE PODEM INTERESSAR...

Novo álbum de Elza Soares tem capa de Laerte
Novo álbum de Elza Soares tem capa de Laerte  
O dia em que o mais famoso cowboy do cinema chegou aos quadrinhos
O dia em que o mais famoso cowboy do cinema chegou aos quadrinhos  
Crom (não confundir com Conan), o bárbaro
Crom (não confundir com Conan), o bárbaro