E tudo começou com um...patinho!

O título deste artigo parafraseia Walt Disney em 1954:

O título deste artigo parafraseia Walt Disney em 1954: "Só espero que nunca percamos de vista uma coisa: tudo começou com um rato"

18.09.2018
946 VISITAS
Quem diria que uma editora do porte da Abril teria começado em 1950 com revistas em quadrinhos e, particularmente, o primeiro número de O Pato Donald. Mas se formos dar uma olhada no passado descobriremos que grandes impérios da comunicação nasceram de singelos personagens associados às histórias em quadrinhos.

O título deste artigo parafraseia Walt Disney em 1954: "Só espero que nunca percamos de vista uma coisa: tudo começou com um rato". Na época, Mickey já era uma celebridade frente às câmeras, já que sua estreia no cinema aconteceu com o curta-metragem "O Vapor Willie" em 18 de novembro de 1928. E não precisamos ir tão longe, pois se analisarmos a biografia do brasileiro Maurício de Souza vamos relembrar que em Julho de 1959, os leitores da Folha da Manhã, um jornal de São Paulo, descobriam um novo personagem dos quadrinhos: um cãozinho azul, chamado Bidú. Não poderíamos imaginar que era o princípio de uma das mais bem-sucedidas empresas de comunicação do país, a Maurício de Souza Produções.
Mas, voltando ao pato da Abril, a "revistinha" editada até hoje, é a mais longeva publicação de quadrinhos no Brasil e aquela primeira e histórica edição é hoje uma valiosa raridade.

Foto: Reprodução

DESTAQUES QUE PODEM INTERESSAR...

Confecção comemora centenário do Gato Félix
Confecção comemora centenário do Gato Félix  
Um livro de receitas simples, para casa!
Um livro de receitas simples, para casa!  
Canção New York, New York não é de Frank Sinatra, nem de Liza Minelli
Canção New York, New York não é de Frank Sinatra, nem de Liza Minelli