Adolf: Como a arte do mangá vê o nazismo

Ilustração dramática mostra a violação de Eliza, personagem da obra

Ilustração dramática mostra a violação de Eliza, personagem da obra

18.09.2018
337 VISITAS
Existem milhares de obras abordando os horrores do nazismo e da guerra de Hitler, mas o mangá "Adolf" traz uma abordagem um pouco diferente e merece leitura.


Merece a estante de colecionadores. A começar pela autoria: Osamu Tezuka (1928-1989), considerado o maior quadrinista japonês da história, e conhecido em seu país como “o Deus do mangá”. (pioneiro dos desenhos animados para a TV japonesa, criando verdadeiros clássicos do animê como Astro Boy, A Princesa e o Cavaleiro e Kimba), Tezuka trabalhou no estilo conhecido como sandan-banashi (contos trípticos), muito difundido entre os contadores de história japoneses, mesclando 3 contos completamente diferentes que acabam compondo uma só história; e para finalizar, a obra - dividida em 5 volumes de aproximadamente 230 páginas cada - recebeu o prêmio Kodansha - premiação anual importante no meio dos mangás no Japão.
Os desenhos são bastante caricatos, mas a trama é envolvente e baseada em pesquisa sobre os reais fatos da guerra, inclusive existem tabelas com datas de ocorrências reais do período em que a história se passa no Japão, e no mundo.
Resumo sem spoiler da Wikipedia: "Adolf, conhecido no Japão como Adolf ni Tsugu, literalmente: "Conte a Adolf" é uma série de mangá desenvolvida por Osamu Tezuka. Adolf foi publicado em inglês pela Cadence Books e VIZ Media e no Brasil pela Conrad Editora. A história é ambientada antes da Segunda Guerra Mundial e é centralizada em três personagens de nome Adolf. Adolf Kamil é um judeu Asquenaze que mora no Japão. Seu melhor amigo Adolf Kaufmann, que é descendente de japoneses e alemães. O terceiro Adolf é Adolf Hitler, ditador da Alemanha. Adolf também apresenta Sohei Toge, um repórter japonês."

DESTAQUES QUE PODEM INTERESSAR...

Escrava Isaura, marco da literatura abolicionista
Escrava Isaura, marco da literatura abolicionista  
Por que 2 de abril, é o Dia Internacional do Livro Infantojuvenil?
Por que  2 de abril, é o Dia Internacional do Livro Infantojuvenil?  
Autora best-seller, Maya Banks vende no Brasil trama de suspense erótico
Autora best-seller, Maya Banks vende no Brasil trama de suspense erótico